The Portuguese Royal Treasury: management, taxation and accounts control in the Johannine period (from 1814 to 1820)

Claudio Nascimento Pedroso, José Paulo Cosenza, Alberto Donoso-Anes

Resumen


In November 1807, Napoleon Bonaparte's troops were about to invade Portugal. To escape, the Queen of Portugal, Maria I, her son, future King Juan VI, Prince Regent at the time, as well as civilians and military men, had to embark and move to Brazil urgently. The transfer of the Portuguese court to Brazil transformed the then colony of Portugal into the seat of the Portuguese monarchy, giving the country a significant role in the economic, social, and political issues of the Portuguese Empire, between 1808 and 1821. Among the changes made by the Portuguese Crown in Brazil in the process of reorganization of the State apparatus, we highlight the creation of the Royal Treasury, similar to the one existing in Lisbon since 1761, which was responsible for the collection and accounting entries of the income generated throughout the Portuguese domain. This paper examines the balance sheets of the ledger book of the 2nd Royal Treasury General Accountancy from 1814 to 1820, based on historical and documentary research conducted in the collections of the Brazilian National Archive. The purpose of this study is to analyze the quality of the accounting information recorded in the annual balance sheets, comparing it across different periods and determining its functionality as a tax control tool. The paper contributes to the literature with information on this special historical period in which Rio de Janeiro provisionally became the capital of the Portuguese Kingdom, maintaining a vital role in the political, economic, and social context of the time. The results of the study enable us to infer the economic conception of fiscal control that the Royal Treasury exercised in its administrative and accounting organization, showing the role played by accounting in the management of the Portuguese Royal House, given that accounting records reveal the ascendancy of the environment over accounting and the influence of accounting on the environment.

Palabras clave


Public Accounting, Accounting Records, Portuguese Royal House, Johannine Period, Royal Treasury

Texto completo:

PDF

Referencias


REFERENCIAS

Adams, C., Hoque, Z., & McNicholas, P. (2006). Case studies and action research. In Hoque, Z. (ed.). Methodological issues in accounting research: theories and methods. London: Spiramus, p. 361-373.

Aidar, B. (2016). A reforma do Tesouro Nacional e os liberais moderados. In: Ribeiro, G. S. & Campos, A, P [Orgs.] Histórias sobre o Brasil nos Oitocentos. São Paulo: Alameda Casa Editorial, Cap. 1, p. 1-36.

Amed, F. J. & Negreiros, P. J. L. C. (2000). História dos tributos no Brasil. São Paulo: Sinafresp.

Araujo, J. P. F. N. (1830). Colleccao chronologico-systematica da legislacao de fazenda ... do imperio do Brasil. Volumen 1 Rio de Janeiro: Plancher-Seignot Available at https://books.google.com.br/books?id=DCVVAAA AcAAJ&printsec=frontcover&hl=es&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false (accessed May 5, 2019).

Araújo, M. L. V. (2009). A política tributária na periferia do Império português. Associação Brasileira de Pesquisadores em História Econômica. Available at http://www.abphe.org.br/arquivos/maria-lucilia-viveiros-araujo.pdf. (accessed April 29, 2019).

Araújo, W. G. (2012). Análise comparativa entre a similaridade das Aulas do Comércio de Portugal e Brasil no período de 1808 a 1815. In: CONGRESSO ANPCONT, 6., 2012, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPCONT, 2012. Available at https://docplayer.com.br/3950485-Analise-comparativa-entre-a-similaridade-das-aulas-do-comercio-de-portugal-e-brasil-no-periodo-de-1808-a-1815.html (accessed May 2, 2019). p. 1-13.

Araújo, W. G., & Rodrigues, L.L. (2013). As primeiras aulas do comércio do Brasil no século XIX. In Congresso Internacional de Contabilidade e Auditoria, 14., 2013, Lisboa. Anais... Lisboa: ISCAL, 2013. p. 1-23. Available at https://www.occ.pt/news/comcontabaudit/pdf/81.pdf (accessed May 1, 2019).

Araújo, W. G., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2017). Empire as an imagination of the Centre: The Rio de Janeiro School of Commerce and the development of accounting education in Brazil. Critical Perspectives on Accounting, Vol. 46, p. 38-53, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpa.2016.10.002.

Barcelos, F. C. (2014). Secretaria de Negócios de Estado da Fazenda e o Tesouro Nacional. [Cadernos MAPA n.9 – Memória da Administração Pública Brasileira] Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Berwanger, A. R & Leal, J. F. (2015). Noções de Paleografia e de Diplomática 5a ed. Santa Maria: Editora UFSM.

Berry, A. & Otley, D. (2004). Case-Based Research in Accounting. In Christopher Humphrey & Bill Lee. The Real Life Guide to Accounting Research: A Behind the Scenes View of Using Qualitative Research Methods, Chapter 14, 231-256. London: Elsevier.

Braga, N. L. X. S (2013). O status social dos homens de negócio no Império português na segunda metade do século XVIII e início do XIX: O caso do negociante portuense Elias Antonio Lopes no contexto da vinda da Corte joanina para o Rio de Janeiro em 1808. Revista 7 Mares, No. 3, p. 76-83, Dossiê – Outubro. Available at: http://www.historia.uff.br/7mares/wp-content/uploads/2018/11/v02n03a07.pdf (accessed May 7, 2019).

Brasil (1889a). Decisão N.9 – Reino - em 6 de maio de 1818. Ordena que se não proponha sujeito algum para Oficial do Real Erário sem que tenha os estudos da aula do comércio. Collecção das Leis do Brazil de 1818 [Decretos, Cartas Régias e Alvarás], Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, p. 7. Available at: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/doimperio/colecao1.html (accessed May 24, 2019).

Brasil (1889b). Decreto de 22 de dezembro de 1819. Manda fazer em separado a escrituração dos fundos aplicados para o estabelecimento de colônias. Collecção das Leis do Brazil de 1819 [Decretos, Cartas Régias e Alvarás], Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, p. 29. Available at: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/doimperio/colecao1.html (accessed May 4, 2019).

Brasil (1890). Decisão n. 61, de 20 de setembro de 1821. Manda que o Erário Régio se denomine Tesouro Público do Rio de Janeiro. Coleção das decisões do Governo do Brasil, Rio de Janeiro, p. 43.

Brasil (1891a). Alvará de 28 de junho de 1808. Cria o Erário Régio e o Conselho da Fazenda. Collecção das Leis do Brazil de 1808 [Cartas de Lei, Alvarás, Decretos e Cartas Régias], Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, p. 74-90. Available at: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/doimperio/colecao1.html (accessed May 4, 2019).

Brasil (1891b). Decisão nº. 25, de 27 de julho de 1808. Ordena uma nova distribuição dos trabalhos das três Contadorias do Real Erário. Collecção das Leis do Brazil de 1808 [Decisões], Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, p. 29. Available at: http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/18319/colleccao _leis_1808_parte2.pdf?sequence=5 (accessed May 4, 2019).

Buescu, M. (1978). 300 anos de inflação. Rio de Janeiro: APEC, p. 125.

Cabral, D. & Camargo, A. R. (2010). Estado e administração: a corte joanina no Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Cabral, D. (2011). Real Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação. In: Dicionário da Administração Pública Brasileira do Período Colonial. Available at: http://mapa.an.gov.br/index.php/dicionario-periodo-colonial/228-real-junta-do-comercio-agricultura-fabricas-e-navegacao (accessed April 24, 2019).

Cardoso, J. L. (2010). Novos elementos para a história do Banco do Brasil (1808-1829): crônica de uma morte anunciada. Revista Brasileira de História, São Paulo, Vol. 30, No. 59, p.167-192. Available at http://www.scielo.br/pdf/rbh/v30n59/v30n59a09.pdf (accessed April 23, 2019).

Coelho, A. C. (2016). Um Histórico sobre a Tributação no Brasil. Revista da Receita Federal: Estudos Tributários e Aduaneiros, Vol. 3, No.1-2, p. 29-49, Jan./Dez.

Dimaggio, P. J. & Powell, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas. Vol. 45, No. 2, p. 74-80, abr./jun.

Sodré, M. (2009). A invasão napoleônica. In: A França no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional. Available at https://bndigital.bn.gov.br/francebr/napoleao.htm (accessed March 14, 2020).

Godoy, A. S. M. (2008). História da tributação no período Joanino (1808-1821). Brasília: ESAF.

Godoy, A. S. M (2013). A evolução do Ministério da Fazenda desde o Erário Régio. Revista Consultor Jurídico, Dezembro. Available at https://www.conjur.com.br/2013-dez-01/embargos-culturais-evolucao-ministerio-fazenda-erario-regio (accessed April 28, 2019).

Gomes, L. (2007). 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil. [5ª reimpressão] São Paulo: Editora Planeta do Brasil.

Haag, C. (2009). Un corte en la historia de Brasil: El bicentenario de la llegada de la familia real a Río exige una reflexión historiográfica. Revista Pesquisa FAPESP, Edición Especial Nov 2007/Feb 2009, p. 92-97. Available at http://revistapesquisa.fapesp.br/es/2013/04/04/un-corte-en-la-historia-de-brasil-2/ (accessed April 29, 2019).

Hugon, P. (1945). O imposto. São Paulo: Renascença.

IHGB [transcrição] (1966). Almanaque histórico da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro para o ano de 1817. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Vol 270, p. 211-370, Jan./Mar. Available at https://ihgb.org.br/publicacoes/revista-ihgb/item/107963-revista-ihgb-volume-270.html (accessed April 19, 2019).

Lyra, M. L. V. (1994). A Utopia do Poderoso Império: Portugal e Brasil: bastidores da política, 1798-1822. Rio de Janeiro: Sette Letras.

Leite, C. E. (2005). A evolução das ciências contábeis no Brasil. Rio de Janeiro: FGV.

Lemos, N. G. (2012). Um império nos trópicos: a atuação do Intendente Geral de Polícia, Paulo Fernandes Viana, no Império Luso-Brasileiro (1808-1821). (Dissertação de Mestrado em História do Instituto de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Federal Fluminense).

Lisboa, J. S. (1818). Memória dos benefícios políticos do governo de El-Rei Nosso Senhor D. João VI. Rio de Janeiro : Impressão Regia, 2 parte em 1 v., parte I: vii, 59 p; parte II: 2 p. sem numeração, p.63-196. Available at https://digital.bbm.usp.br/view/?45000008621&bbm/4232#page/32/mode/2up (accessed May 9, 2019).

Magliano Junior, G. (2012). A Contabilidade enquanto Instrumento de Gestão: O Caso do Comando da Aeronáutica. Minho: Universidade do Minho, 2012 (Dissertação de Mestrado em Contabilidade da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho).

Malerba, J. (2014). El Brasil Monárquico: De la independencia a la República - Capítulos de Historia e Historiografía. Berlín: Editorial Académica Espagnola. Available at https://www.academia .edu/30951055/El_Brasil_Mon%C3%A1rquico_De_la_independencia_a_la_Rep%C3%BAblica_-_Cap%C3%ADtulos_de_Historia_e_Historiograf%C3%ADa._Berl%C3%ADn_Editorial_Acad%C3%A9mica_Espagnola_2014 (accessed April 29, 2019).

Manchester, A. K. (1933). British preeminence in Brazil: its rise and decline. A study in European expansion. 2a. Ed. Chapel Hill: The University of North Carolina Press.

Martins, I. L. (2010). Dom João – Príncipe Regente e Rei – um soberano e muitas controvérsias. Revista NAVIGATOR, Vol. 6, No. 11, p. 24-42. Available at https://www.revistanavigator.com.br/navig11/dossie/N11_ dossie3.pdf (accessed April 27, 2019).

Martins, L. L. & Abreu, M. A. (2015). Paradoxos da Modernidade: o Rio de Janeiro do Período Joanino, 1808-1821. Available at http://eprints.bbk.ac.uk/4132/1/4132.pdf (accessed April 24, 2019).

Martins, R. B. (2008). A transferência da Corte Portuguesa Para o Brasil: Impactos Sobre Minas Gerais. In SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 13., 2008, Diamantina. Anais... Diamantina: CEDEPLAR, Universidade Federal de Minas Gerais, 2008. p. 1-18. Available at http://www.cedeplar.ufmg.br/seminarios/seminario_diamantina/2008/D08A146.pdf (accessed May 4, 2019).

Matos, M. L. B. S. (2007). A evolução histórica do direito tributário. Descrição histórica do Direito Tributário, sua evolução e surgimento de alguns tributos até a Constituição de 1988. Available at http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/3931/A-evolucao-historica-do-Direito-Tributario. (accessed April 29, 2019).

Mendonça, M. C. (1968). O Erário Régio no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério de Justiça, Serv. de Documentação.

Menezes, S. L. (2006). Alexandre Gusmão e a Tributação das Minas no Brasil. História, Vol. 25, No. 2, p. 179-191. Available at http://www.scielo.br/pdf/his/v25n2/08.pdf (accessed May 8, 2019).

Mont Serrath, P.O. (2013). O Império Português no Atlântico: Poderio, Ajuste e Exploração (1640-1808). (Tese de Doutorado em História Econômica da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo).

Oliveira, J. M. P. (2013). A Contabilidade e o equilíbrio de interesses: O caso da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756-1826). (Dissertação de Mestrado em Ciências Empresariais da Faculdade de Economia da Universidade do Porto).

Pimenta, J. P. G. (2007). Brasil y las independencias de Hispanoamérica. Castelló de la Plana: Publicacions de la Universitat Jaume I.

Prado Junior, C. (1994). História econômica do Brasil (41ª ed.). São Paulo: Brasiliense. (Dissertação de Mestrado em Ciências Empresariais da Faculdade de Economia da Universidade do Porto).

Ricupero, L. V. O. (2007). A abertura dos portos. São Paulo: Senac SP.

Rodrigues, M. J. B. (2011a). O Erário Régio e as contas do Reino no ano de 1765: o poder e a Contabilidade. (Dissertação de Mestrado em História Moderna e Contemporânea – Relações Internacionais do SCTE - Instituto Universitário de Lisboa).

Rodrigues, M. J. B. (2011b). Os homens do Erário Régio. Pecvnia, No. 13, p. 59-81, julio-diciembre.

Ryan, B., Scapens, R. W. & Theobald, M. (2002). Research Method and Methodology in Finance and Accounting. London: Academic Press, Thomson Business Press.

Santana, F.G. (1985). A aula do comércio: uma escola burguesa em Lisboa. Ler História, No. 4, p. 19-30.

Scapens, R. (2004). Doing Case Study Research. Chapter 15. In: Christopher Humphrey & Bill Lee (eds.). The Real Life Guide to Accounting Research: A Behind the Scenes View of Using Qualitative Research Methods, 257-280. London: Elsevier.

Silva, M. B. N. (2005). Ser nobre na colônia. São Paulo: Editora UNESP.

Silva, F. M., Schmidt, P., & Martins, M. A. S. (2018). Impactos contábeis gerados a partir da implantação do Erário Régio no Brasil. In: CONGRESSO DE CONTABILIDADE DA UFRGS, 3., 2018, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: PPPGCONT-UFRGS, 2018. Available at https://www.ufrgs.br/congressocont/index.php/IIIContUFRGS/IIIContUFRGS/paper/view/89/57 (accessed May 7, 2019). p. 1-21.

Souza, C. F. M. (1999). Breve passeio pela história do Direito brasileiro, passando pelos tributos. [Serie Monografias do CEJ - 8] Brasília, Conselho da Justiça Federal, Centro de Estudos Judiciários. Available at http://www.jf.jus.br/ojs2/index.php/mono/article/viewFile/1475/1436 (accessed May 7, 2019).

Stumpf, R. (2018). Administrar finanças e recrutar agentes: práticas de provimentos de ofícios no reinado joanino no Brasil (1808-1821). Almanack, No. 18, p. 330-370, Abr. Available at http://dx.doi.org/10.1590/2236-4633201818808

Subtil, J. (1998). Os poderes do Centro: governo e administração. In: Hespanha, António Manuel (Coord.). História de Portugal. Vol. 4, Lisboa: Editorial Estampa, 1998. p. 141-173.

Vasconcelos, A.L.F.S., Santos, J., Bezerra, D.S.S., & Silva, D.F. (2008). Uma Abordagem Histórica Acerca dos Avanços Contábeis Decorrentes das Reformas Implementadas pelo Marquês de Pombal na Administração Fazendária do Brasil-Colônia de 1777 a 1808. Contextus – Revista Contemporânea de Economia e Gestão, Vol. 6, No. 2, p. 07-14, jul/dez.

Wehling, A. (1986). Coleção História Administrativa do Brasil: Administração Portuguesa no Brasil de Pombal a D. João (1777-1808). Vol. 6, Brasília: Fundação Centro de Formação do Servidor Público.

Wehling, A. (2019). A Aclamação de D. João VI – O Rei e o Reino. Reconfigurar a Corte / (re)construir o Estado: o horizonte de expectativas no Brasil do Reino Unido. Revista IHGB, Rio de Janeiro, Vol. 180, No. 479, p.13-48, jan./abr. Available at https://www.ihgb.org.br/publicacoes/revista-ihgb/item/108636-volume-479.html (accessed May 7, 2019).

Yin, R.K. (2018). Case Study Research and Applications: Design and Methods. 6th Revised edition. Thousand Oaks, United States: SAGE Publications Inc.




DOI: http://dx.doi.org/10.26784/issn.1886-1881.v17i1.376

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2020 Claudio Nascimento Pedroso, José Paulo Cosenza, Alberto Donoso-Anes

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Electronic ISSN:1886-1881

Indexes and Databases/ Índices y Bases de Datos: Google Scholar: H17Emerging Sources Citation Index 2015 Web of Science (Clarivate Analytics) , MIARDIALNETImpacto IDRREDIBIntegrated Classification of Scientific Journals CIRCLATINDEX (Catálogo 2.0)ULRICHSERIH PLUS, y Business Source Complete (EBSCOhost).

URL of the previous website (with also updated content): http://www.decomputis.org/

URL del anterior website (con contenido también actualizado): http://www.decomputis.org/

This is an Open Access Journal. All content is freely available in accordance with the BOAI definition of open access. This work is - if not stated otherwise - under a "Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License". The full license can be viewed at  http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/  


Asociación Española de Contabilidad y Administración de Empresas (AECA) 

C/Rafael Bergamín, 16-B ; 28043 - Madrid (España)

aeca.es   -   info@aeca.es