‘Sim, senhor ministro’: os homens de negócio ao serviço do Marquês de Pombal na junta do comércio portuguesa (1755–1788)

Cecília Duarte, Miguel Gonçalves, Cristina Góis

Resumen


O artigo introduz pela primeira vez na literatura as datas das tomadas de posse e os períodos dos mandatos dos sete provedores (presidentes, em linguagem moderna) da Junta do Comércio, órgão do Antigo Regime português. Criada em 30 de setembro de 1755 por D. José I e idealizada por Sebastião José de Carvalho e Melo (vulgo, Marquês de Pombal), a Junta do Comércio constituiu-se como o braço do Estado responsável pela execução da estratégia pombalina de desenvolvimento económico nacional. Com recurso a dados de arquivo inéditos, o texto apresenta a lista cronológica dos provedores da Junta do Comércio, identificando, também, a sua contribuição para a história da contabilidade portuguesa.


Palabras clave


Junta do Comércio; Marquês de Pombal; Homens de Negócio; História da Contabilidade; Século XVIII; Portugal

Texto completo:

PDF

Referencias


Barreto, J. (1986). Sebastião José de Carvalho e Melo – Escritos Económicos de Londres (1741-1742). Lisboa: Biblioteca Nacional.

Basu, S. (2012). “How can accounting researchers become more innovative?”. Accounting Horizons 26(4), 851-870.

Benavente–Rodrigues, M. (2011). O Erário Régio e as Contas do Reino de 1765 – o Poder e a Contabilidade. Lisboa: Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade (APOTEC).

Braga, T. (1898). História da Universidade de Coimbra (vol. 3 – 1700 a 1800). Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências.

Brilli, C. (2016). “Coping with Iberian monopolies: Genoese trade networks and formal institutions in Spain and Portugal during the second half of the eighteenth century”. European Review of History: Revue Européenne d´Histoire 23(6), 456-485.

Cachulo, G. (2009). “Uma letra de câmbio da época em que foi criada a Aula do Comércio”. Revista Contabilidade & Finanças 99, 12.

Carqueja, H. O. (2010). Arte da Escritura Dobrada que Ditou na Aula do Comércio João Henrique de Sousa Copiada para Instrução de José Feliz Venâncio Coutinho no Ano de 1765 – Comentário, Fac-Símile e Leitura. Lisboa: Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas (OTOC).

Carqueja, H. O. (2011). ““Mercador Exacto”: primeiro livro, impresso, em português sobre partidas dobradas”. Revista Portuguesa de Contabilidade 4, 609-644.

Chiapello, E. (2007). “Accounting and the birth of the notion of capitalism”. Critical Perspectives on Accounting 18(3), 263-296.

Correia, F. A. (1931). História Económica de Portugal (vol. 2). Lisboa: Tipografia da Empresa Nacional de Publicidade.

Costa, C. B. (1980). “O ensino da contabilidade em Portugal: a necessidade de uma licenciatura em Contabilidade”. Revista de Contabilidade e Comércio 176, 389-404.

Costa, L. F., Lains, P., e Miranda, S. M. (2011). História Económica de Portugal – 1143 a 2010. Lisboa: A Esfera dos Livros.

Cunha, M. P., e Rego, A. (2019). “Métodos qualitativos nos estudos organizacionais e de gestão”. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa 18(3), 188-206.

D’Alcochete, N. D. (1965). “A propósito das ‘Recordaçoens’ de Jácome Ratton”. Revista Ocidente 68 (Separata), 179-189.

Falcon, F. (1998). “A prática mercantilista em Portugal durante a época pombalina: papel-chave da Junta do Comércio”. Revista do Mestrado de História da Universidade Severino Sombra 1(1), 5-27.

Flesher, D. L., e Samson, W. D. (1990). “What is publishable accounting history research: an editorial view”. The Accounting Historians Journal 17(1), 1-4.

Gomes, D. (2007). Accounting Change in Central Government: the Institutionalization of Double Entry Bookkeeping at the Portuguese Royal Treasury (1761-1777). Tese de Doutoramento em Ciências Empresariais, especialização em Contabilidade. Escola de Economia e Gestão, Universidade do Minho, Braga.

Gomes, D., Carnegie, G. D., e Rodrigues, L. L. (2008). “Accounting change in central government: The adoption of double entry bookkeeping at the Portuguese Royal Treasury (1761)”. Accounting, Auditing and Accountability Journal 21(8), 1144-1184.

Gomes, D., e Rodrigues, L. L. (2017). “Investigação em história da contabilidade”. In Major, M. J., e Vieira, R. (Orgs.), Contabilidade e Controlo de Gestão – Teoria, Metodologia e Prática (2.ª ed.), 215-243. Lisboa: Escolar Editora.

Gonçalves, M. (2013). “Emergência e desenvolvimento da contabilidade por partidas dobradas. Traços gerais de um homem de negócio da Praça de Lisboa: José Francisco da Cruz, tesoureiro-geral do Erário Régio português, 1761”. Revista Portuguesa de Contabilidade 3(12), 669-696.

Gonçalves, M. (2015). “(Algo de novo sobre) João Baptista Bonavie (1705–1780)”. Comunicação apresentada no VIII Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Contabilistas Certificados (Lisboa, 11 Dez.), 1-14. Org.: Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC).

Gonçalves, M. (2017). Pequena História de uma Escola de Contabilidade – a Aula do Comércio. Contribuição para a História da Profissão de Contabilista e da Difusão das Partidas Dobradas em Portugal. Lisboa: Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade (APOTEC).

Gonçalves, M. (2019). “Contabilidade por partidas dobradas: história, importância e pedagogia (com especial referência à sua institucionalização em Portugal, 1755–1777)”. De Computis: Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History 16(2), 69-142.

Gonçalves, M., e Marques, M. C. (2011). “A importância do Marquês de Pombal para a profissão dos Técnicos Oficiais de Contas em Portugal”. Jornal de Contabilidade 406, 4-9.

Gonçalves, M., e Marques, M. C. (2015). “Portugal, 1761: the role of the businessman José Francisco da Cruz (1717–1768) in the development of accounting”. Accounting and Financial History Research Journal 8, 239-259.

Gonçalves, M., Lira, M., e Marques, M. C. (2013). “Finanças públicas e contabilidade por partidas dobradas: uma visita guiada pela literatura sobre as três figuras cimeiras do Erário Régio Português, 1761”. Revista Universo Contábil 9(2), 142-173.

Gonçalves, M., Lira, M., e Marques, M. C. (2014). “Adolescência da contabilidade por partidas dobradas em Portugal: o papel de um amigo de Marquês de Pombal, José Francisco da Cruz (1717–1768)”. Revista de Contabilidade e Finanças 116, 20-24.

Lisboa, M. E. (2009). O Solar do Morgado da Alagoa – os Irmãos Cruz e os Significados de um Património Construído. Lisboa: Edições Colibri.

Macedo, J. B. (1982). A Situação Económica no Tempo de Pombal (2.ª ed.). Lisboa: Moraes Editores.

Macedo, J. B. (1984). “Comércio, Junta do”. In Serrão, J. (Dir.) (1984), Dicionário de História de Portugal (vol. 2) (106-108). Porto: Livraria Figueirinhas.

Madureira, N. L. (1997a). “A ‘sociedade civil’ do Estado. Instituições e grupos de interesses em Portugal (1750–1847)”. Análise Social 32(142), 603-624.

Madureira, N. L. (1997b). Mercados e Privilégios – a Indústria Portuguesa entre 1750 e 1834. [S/l]: Editorial Estampa.

Marcos, R. M. F. (1997). As Companhias Pombalinas – Contributo para a História das Sociedades por Acções em Portugal. Coimbra: Livraria Almedina.

Maxwell, K. (2004). O Marquês de Pombal (2.ª ed.). Trad. Saul Barata. Lisboa: Editorial Presença.

Pedreira, J. (1995). Os Homens de Negócio da Praça de Lisboa. De Pombal ao Vintismo. Diferenciação, Reprodução e Identificação de um Grupo Social. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Tese de Doutoramento em Sociologia, especialização em Sociologia e Economia Históricas.

Pollock, T. G., e Bono, J. E. (2013). “Being Scheherazade: the importance of storytelling in academic writing”. Academy of Management Journal 56(3), 629-634.

Ribeiro Júnior, J. (2004). Colonização e Monopólio no Nordeste Brasileiro – a Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba (2.ª ed.). São Paulo: Editora HUCITEC.

Rodrigues, L. L., e Craig, R. (2009). “Teachers as servants of state ideology: Sousa and Sales, Portuguese School of Commerce, 1759–1784”. Critical Perspectives on Accounting 20(3), 379-398.

Rodrigues, L. L., e Craig, R. (2010). “Os dois primeiros professores da Aula do Comércio e a ideologia do Estado”. Revista da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas 126, 44-55.

Santana, F. (1974). Contributo para um Dicionário de Professores e Alunos das Aulas de Comércio. Lisboa: Associação Comercial de Lisboa – Câmara de Comércio.

Santana, F. (1988). “A Aula do Comércio de Lisboa. VII (conclusão)”. Lisboa – Revista Municipal” (2.ª série) 23, 19-30.

Serrão, J. V. (1982). O Marquês de Pombal – o Homem, o Diplomata e o Estadista. Lisboa: Câmara Municipal; Oeiras: Câmara Municipal; Pombal: Câmara Municipal.

Subtil, J. (1998). “Os Governos de Portugal (1736–1916)”. Revista da Escola Superior de Educação de Viana do Castelo 3, 209-245.

Vieira, R, Major, M. J., e Robalo, R. (2017). “Investigação qualitativa em contabilidade”. In Major, M. J., e Vieira, R. (Orgs.), Contabilidade e Controlo de Gestão – Teoria, Metodologia e Prática (2.ª ed.), 139-171. Lisboa: Escolar Editora.




DOI: http://dx.doi.org/10.26784/issn.1886-1881.v17i2.396

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2020 Cecília Duarte, Miguel Gonçalves, Cristina Góis

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Electronic ISSN:1886-1881

Indexes and Databases/ Índices y Bases de Datos: Google Scholar: H17Emerging Sources Citation Index 2015 Web of Science (Clarivate Analytics) , MIARDIALNETImpacto IDRREDIBIntegrated Classification of Scientific Journals CIRCLATINDEX (Catálogo 2.0)ULRICHSERIH PLUS, y Business Source Complete (EBSCOhost).

URL of the previous website (with also updated content): http://www.decomputis.org/

URL del anterior website (con contenido también actualizado): http://www.decomputis.org/

This is an Open Access Journal. All content is freely available in accordance with the BOAI definition of open access. This work is - if not stated otherwise - under a "Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License". The full license can be viewed at  http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/  


Asociación Española de Contabilidad y Administración de Empresas (AECA) 

C/Rafael Bergamín, 16-B ; 28043 - Madrid (España)

aeca.es   -   info@aeca.es