Demonstração do estado da contadoria da Real Fábrica Das Sedas, a maior empresa industrial de Portugal no Século XVIII (período 1757-1796)

Cecilia Duarte, Miguel Gonçalves, Cristina Góis

Resumen


O artigo introduz pela primeira vez na literatura a composição da contadoria (i.e., da repartição de Contabilidade) da Real Fábrica das Sedas no arco temporal de 1757 a 1796. Reformulada pelo Marquês de Pombal em 1757, a Real Fábrica das Sedas constituiu-se na maior indústria do seu tempo em Portugal. Com recurso a dados de arquivo inéditos localizados principalmente no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (Lisboa, Portugal), os resultados desta investigação permitem apresentar a composição da contadoria da Real Fábrica das Sedas, possibilitando, também, conhecer os ordenados dos seus funcionários. Ao fazer isto, este estudo reflete-se num contributo original, válido e inédito para o avanço do conhecimento da história da contabilidade portuguesa.

Palabras clave


Real Fábrica das Sedas; Contadoria; Guarda-Livros; Salários; Século XVIII.

Texto completo:

PDF

Referencias


Almeida, L. F. (1990). A Fábrica das Sedas de Lisboa no tempo de D. João V. Revista Portuguesa de História, 45, 1-48.

Azevedo, J. L. (1922). O Marquês de Pombal e a sua Época (2.ª ed.). Lisboa: Seara Nova.

Azevedo, J. L. (1929). Épocas de Portugal Económico. Lisboa: Clássica Editora.

Barreto, J. (1986) (Ed.). Sebastião José de Carvalho e Melo – Escritos Económicos de Londres (1741-1742). Seleção, Leitura, Introdução e Notas de José Barreto (33-98). Lisboa: Biblioteca Nacional.

Carqueja, H. O. (2011a). Apontamento sobre a contabilidade em Portugal entre 1900 e 1950. De Computis, Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History, 8(14), 3-49.

Carqueja, H. O. (2011b). ‘Mercador Exacto’: primeiro livro, impresso, em português sobre partidas dobradas. Revista Portuguesa de Contabilidade, 4, 609-644.

Carvalho, J. M. (2017). From traditional accounting history to digital accounting history: an eighteenth century double-entry bookkeeping system represented in spreadsheet databases. Comunicação apresentada no XVI Congresso Internacional de Contabilidade e Auditoria (CICA) (Aveiro, 12-13 Out.), 1-28. Org.: Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) e Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Aveiro (ISCAA).

Carvalho, J. M., Cochicho, J. A. C., Rodrigues, M. J. B., & Paixão, J. C. (2016). Alguns aspectos da contabilidade de manufacturas portuguesas no século XVIII: o caso da Companhia da Fábrica das Sedas – 2.ª administração (1745-1747). Boletim do Centro de Estudos de História da Contabilidade, 66, 1-12.

Carvalho, J. M., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2007). Early cost accounting practices and private ownership: the Silk Factory Company of Portugal, 1745-1747. The Accounting Historians Journal, 34(1), 57-89.

Cunha, M. P., & Rego, A. (2019). Métodos qualitativos nos estudos organizacionais e de gestão. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 18(3), 188-206.

Duarte, C. (2020). Real Fábrica das Sedas – Elementos Históricos, Sistema Contabilístico e Modelo de Governo (durante a Administração Pombalina). Dissertação de Mestrado em Contabilidade. Instituto Politécnico de Coimbra –Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Coimbra. Portugal.

Duarte, C., Gonçalves, M., & Góis, C. (2020). ‘Sim, senhor ministro’: os homens de negócio ao serviço do Marquês de Pombal na Junta do Comércio portuguesa (1755–1788). De Computis, Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History, 17(2), 43-59.

Falcon, F. (1998). A prática mercantilista em Portugal durante a época pombalina: papel-chave da Junta do Comércio. Revista do Mestrado de História da Universidade Severino Sombra, 1(1), 5-27.

Faria, A. R. (2005). A investigação em história da contabilidade em Portugal, 1990-2003: um estudo empírico. In: Guimarães, J. C. História da Contabilidade em Portugal – Reflexões e Homenagens (199-249). Lisboa: Áreas Editora.

Faria, A. R. (2011). A organização contabilística no sector conserveiro entre o final do século XIX e a primeira metade do século XX: o caso Júdice Fialho. Pecvnia: Revista de la Facultad de Ciencias Económicas y Empresariales de la Universidade de León, 13, 135-160.

Funnell, W. (1996). Preserving history in accounting: seeking common ground between “new” and “old” accounting history. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 9(4), 38-64.

Gomes, D. (2007). Accounting Change in Central Government – the Institutionalization of Double Entry Bookkeeping at the Portuguese Royal Treasury (1761-1777). Tese de Doutoramento em Ciências Empresariais. Universidade do Minho – Escola de Economia e Gestão. Braga. Portugal.

Gonçalves, M. (2011). Aula do Comércio do Porto (1803): sua criação e confronto crítico com a correlativa Aula lisboeta. Contabilidade e Gestão. Revista Científica da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas – Portuguese Journal of Accounting and Management, 10, 115-163.

Gonçalves, M. (2015). (Algo de novo sobre) João Baptista Bonavie (1705–1780). Comunicação apresentada no VIII Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Contabilistas Certificados (Lisboa, 11 Dez.), 1-14. Org.: Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC).

Gonçalves, M. (2017). Pequena História de uma Escola de Contabilidade: a Aula do Comércio. Contribuição para a História da Profissão de Contabilista e da Difusão das Partidas Dobradas em Portugal. Lisboa: Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade (APOTEC).

Gonçalves, M. (2019). Contabilidade por partidas dobradas: história, importância e pedagogia (com especial referência à sua institucionalização em Portugal, 1755-1777). De Computis, Revista Española de Historia de la Contabilidad – Spanish Journal of Accounting History, 16(2), 69-142.

Gonçalves, M. (2021). Perguntas antigas, dados novos: o essencial sobre João Baptista Bonavie (1705–1780). Comunicação apresentada no XVIII Congresso Internacional de Contabilidade e Auditoria (CICA) (Lisboa, 14-15 Out.), 1-18. Org.: Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) e Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa (ISCAL).

Gonçalves, M., Lira, M., & Marques, M. C. (2013). Finanças públicas e contabilidade por partidas dobradas: uma visita guiada pela literatura sobre as três figuras cimeiras do Erário Régio Português, 1761. Revista Universo Contábil, 9(2), 142-173.

Gonçalves, M., & Marques, M. C. (2011). A importância do Marquês de Pombal para a profissão dos Técnicos Oficiais de Contas em Portugal. Jornal de Contabilidade, 406, 4-9.

Gonçalves, M., & Marques, M. C. (2015). Portugal, 1761: the role of the businessman José Francisco da Cruz (1717–1768) in the development of accounting. Accounting and Financial History Research Journal, 8, 239-259.

Gonçalves, M., & Ribeiro, S. F. (2015). Portugal, 1759–1772: a mão visível? Instituição do sistema educativo estatal, com especial referência a Pombal e ao ensino da Contabilidade. Revista Universo Contábil, 11(3), 169-189.

Gonçalves, M., Ribeiro, S. F., Marques, M. C., & Lira, M. (2017). Introdução ao modelo de gestão de uma organização portuguesa do Antigo Regime, com particular referência à sua contabilidade: o Colégio Real dos Nobres (1766). Enfoque: Reflexão Contábil, 36(2) 39-57.

Gomes, D., & Rodrigues, L. L. (2017). Investigação em história da contabilidade. In: Major, M. J., & Vieira, R. (Eds.). Contabilidade e Controlo de Gestão – Teoria, Metodologia e Prática (2.ª ed.) (215-243). Lisboa: Escolar Editora.

Luz, A. F. (2018). A Real Fábrica das Sedas de Lisboa – Administração, Política Econômica e Comércio no Atlântico Sul (1734–1777). Tese de Doutoramento em História. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – Escola de Humanidades. Porto Alegre. Brasil.

Macedo, J. B. (1982). A Situação Económica no Tempo de Pombal – Alguns Aspectos (2.ª ed.). Lisboa: Moraes Editores.

Macedo, J. B. (1984). Comércio, Junta do. In: Serrão, J. (Dir.). Dicionário de História de Portugal (vol. 2) (106-108). Porto: Livraria Figueirinhas.

Marcos, R. (1997). As Companhias Pombalinas – Contributo para a História das Sociedades por Acções em Portugal. Coimbra: Almedina.

Mata, E., & Valério, N. (1994). História Económica de Portugal – uma Perspectiva Global. Lisboa: Editorial Presença.

Maxwell, K. (2004). O Marquês de Pombal (2.ª ed.). Trad. do inglês por Saul Barata. Lisboa: Editorial Presença.

Maxwell, K. (2015). O Marquês de Pombal – Ascensão e Queda. Trad. do inglês por Saul Barata. Lisboa: Editora Manuscrito.

Monteiro, N. G. (2006). D. José. Lisboa: Círculo de Leitores.

Moreira, A. (1983). O regimento secretíssimo da Real Fábrica das Sedas, 1757. Subsídios para a história da sericultura em Portugal. Revista da Biblioteca Nacional, 3(1/2), 75-104.

Oliveira, I. G. (2009). A Contabilidade da Real Companhia Velha no período pombalino (1756-1777). Jornal de Contabilidade, 392, 361-374.

Oliveira, J. (2013). A Contabilidade e o Equilíbrio de Interesses – o Caso da Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756-1826). Tese de Doutoramento em Ciências Empresariais. Universidade do Porto – Faculdade de Economia. Porto. Portugal.

Ramos, R. (2019). Da qualidade dos registos depende a boa administração: os documentos do Hospital de Todos os Santos. Cadernos do Arquivo Municipal, 11, 47-62.

Rodrigues, L. L., Gomes, D., & Craig, R. (2003a). Corporatism, Liberalism and the accounting profession in Portugal since 1755. The Accounting Historians Journal, 30(1), 95-128.

Rodrigues, L. L., Gomes, D., & Craig, R. (2003b). Aula do Comércio: primeiro estabelecimento de ensino técnico profissional oficialmente criado no mundo? Revista da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, 34, 46-54.

Rodrigues, L. L., Gomes, D., & Craig, R. (2004). Portuguese School of Commerce, 1759 –1844: a reflection of the ‘Enlightenment’. Accounting History, 9(3), 53-71.

Rodrigues, M. B. (2001). Companhia da Fábrica de Sedas, 2.ª administração: 1745–1747. Contabilidade de custos. Boletim APECA, 104, 13-18.

Rodrigues, M. F. (1999). Política industrial e indústria no Antigo Regime. In: Rodrigues, M. F., & Mendes, J. M. A. (Eds.). História da Indústria Portuguesa – da Idade Média aos Nossos Dias (119-177). Sintra: Publicações Europa-América.

Sena–Lino, P. (2020). De Quase Nada a Quase Rei – Biografia de Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal. Lisboa: Contraponto.

Serrão, J. V. (1987). O Marquês de Pombal – o Homem, o Diplomata e o Estadista (2.ª ed.). Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa.

Serrão, J. V. (1992). O quadro económico: configurações estruturais e tendências de evolução. In: Mattoso, J. (Ed.). História de Portugal – O Antigo Regime (vol. 4) (71-117). Lisboa: Editorial Estampa.

Serrão, J. V. (1996). História de Portugal – O Despotismo Iluminado (1750-1807) (5.ª ed.) (vol. 6). Lisboa: Editorial Verbo.

Sousa, R. M. (2008). Brazilian gold and the Lisbon Mint House (1720–1807). The Electronic Journal of Portuguese History, 6(1), 24-46.




DOI: http://dx.doi.org/10.26784/issn.1886-1881.v18i2.435

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2021 Cecilia Duarte, Miguel Gonçalves, Cristina Góis

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Electronic ISSN:1886-1881

Indexes and Databases/ Índices y Bases de Datos: Google Scholar: H18Emerging Sources Citation Index 2015 Web of Science (Clarivate Analytics) , MIARDIALNETImpacto IDRREDIB: Q2Integrated Classification of Scientific Journals CIRCLATINDEX (Catálogo 2.0)ULRICHSERIH PLUS, Business Source Complete (EBSCOhost) y FECYT (Historia: C3 y Economía: C4), Scilit

This is an Open Access Journal. All content is freely available in accordance with the BOAI definition of open access. This work is - if not stated otherwise - under a "Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License". The full license can be viewed at  http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/  


Asociación Española de Contabilidad y Administración de Empresas (AECA) 

C/Rafael Bergamín, 16-B ; 28043 - Madrid (España)

aeca.es   -   info@aeca.es